sexta-feira, 31 de julho de 2020

ENTRA EM DISCUSSÃO A PRORROGAÇÃO DE MAIS PARCELAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL



O auxílio emergencial criado para ajudar as famílias em situação vulnerável a enfrentar a crise provocada pelo coronavírus pode ser prorrogado em dois meses ou até o final do ano. Ao início d crise provocada pela covid-19 seriam 3 parcelas, já que se imaginava a crise iria regredir, ma o estado de colapso somente piorou e vem piorando com tendência 100 mortes na primeira quinzena de agosto. Por isso, deputados, senadores e o próprio governo federal decidiu prorrogar o beneficio em mais duas parcelas, chegando a divulgar calendário até a 5ª parcela do auxílio emergencial.
Mesmo reclamando a dificuldade para manutenção do beneficio, o governo já trabalha internamente com a possibilidade de ter de prorrogar o auxílio emergencial, pela segunda vez.
Lideranças parlamentares informaram ao governo que, enquanto o programa de renda mínima não for liberado, o auxílio terá que continuar a ser pago aos trabalhadores informais e brasileiros desempregados.
Mesmo, aparentemente concordando, o governo já havia dito que tenta evitar outra prorrogação do auxílio por conta do elevado custo aos cofres públicos, por isso, a ordem do ministro Paulo Guedes foi acelerar a elaboração do Renda Brasil. Guedes quer encaminhar a proposta ao Congresso em agosto.
De acordo com Paulo Guedes, o Renda Brasil substituirá o auxílio emergencial, o Bolsa Família, entre outros benefícios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário