terça-feira, 19 de maio de 2020

Vídeo postado por Bolsonaro reforça fritura de Regina Duarte



Futuro de Regina Duarte no governo é incerto (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Ana Paula Ramos - Yahoo Notícias - A secretária de Cultura, Regina Duarte, enfrenta um processo de fritura no governo, com o aval do presidente Jair Bolsonaro, e o objetivo de fazer com que ela peça demissão do cargo.
Na manhã desta terça-feira (19), o presidente compartilhou em seu perfil numa rede social o vídeo de uma entrevista do ator Mário Frias, no qual ele se coloca à disposição de Bolsonaro “para o que ele precisar”.
“Pro Jair, cara, o que ele precisar eu tô aqui. Eu torço demais pra Regina, eu sou fã dela, mas pelo Brasil eu tô aqui, o que for preciso. Respeito o Jair demais, vejo o Brasil com chance de finalmente ser respeitado”, disse o ator à CNN no começo de maio, sobre a possibilidade de assumir a Secretaria Especial da Cultura.
Em março, quando Regina tomou posse, Frias foi um dos poucos artistas que compareceu à posse.
Regina Duarte enfrenta resistência da ala ideológica do governo, ligada ao escritor Olavo de Carvalho e coordenada pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).
Na semana passada, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fizeram publicações nas redes sociais em defesa do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo.
Camargo já fez inúmeras críticas à gestão de Regina. A atriz tentou tirá-lo do cargo, mas não conseguiu.
Além do isolamento dentro do governo, onde não tem força para convencer ministros a destravar sua agenda cultural e não consegue sequer escolher a própria equipe, a secretária é duramente criticada nas redes sociais pela classe artística, uma das mais afetadas pela crise do coronavírus.
No dia 10, mais de 500 artistas, intelectuais e produtores culturais divulgaram uma carta em reação às declarações de Regina Duarte durante entrevista à CNN, no último dia 7. Na carta, a classe artística afirma que “não aceita os ataques reiterados à arte, à ciência e à imprensa, e que não admite a destruição do setor cultural ou qualquer ameaça à liberdade de expressão”.
Na entrevista, Regina deu declarações minimizando a censura e a tortura durante a ditadura e relativizou o impacto do coronavírus. Questionada por ter se silenciado diante da morte de diversos artistas desde que assumiu a secretaria, Regina também minimizou e disse que não queria fazer um “obituário” na pasta.
Ela ainda ficou irritada quando a emissora mostrou um vídeo enviado pela atriz Maitê Proença pedindo que a secretária desse soluções para a classe artística em meio à pandemia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário