segunda-feira, 4 de maio de 2020

À sombra dos 'grandalhões', ato pró-Bolsonaro vira reunião de delinquentes



O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Foto: Andre Borges/NurPhoto (via Getty Images)

Matheus Pichonelli - Yahoo Notícias - Se o Brasil fosse uma escola, Jair Bolsonaro seria o aluno preguiçoso e insolente que passa a aula no celular e, ao ser reprovado, declara guerra ao professor, aos coordenadores, à direção e a tudo o que ele identifica como “sistema”.
Vingativo, ele se torna, numa conjunção de fatores e promessas, o representante dos estudantes sem se dar conta de que não é o dono da escola nem pode botar fogo no parquinho só porque quer.
Os bilhetes de suspensão são mastigados um a um. Antigos amigos se afastam.
Mas ele permanece obstinado em transformar a escola em seu playground particular.
A confiança vem da amizade com o grandalhão da sala. Um grandalhão com posse de arma.
Não sei se o grandalhão já percebeu, mas é em nome dele que o jovem indisciplinado, esperto mas intelectualmente limitado, passa os dias provocando alunos, professores e direção.
Em seu último ato de ameaça com o rompimento institucional, Bolsonaro disse neste domingo (3) estar do lado do povo e das Forças Armadas.
A primeira parte da história é mentirosa.
Bolsonaro teve a maioria dos votos em 2018, mas de lá para cá se esforçou tanto que conseguiu minar seu capital político e o apoio de setores da sociedade que abandonaram o barco um a um.
Mesmo com 33% de aprovação, ele decretou que “povo” é tudo aquilo que está com ele. Quem não está é corrupto, comunista ou traidor. Cabe tudo neste balaio, do ministro demitido por fazer o seu trabalho ao símbolo da Lava Jato.

A segunda parte da frase é uma incógnita.
Em declarações recentes, o presidente falou em “minha PF” e “minhas Forças Armadas”. Aparentemente confunde a Presidência com um jogo de War.
Bolsonaro não sabe ou finge não saber que as urnas lhe deram um mandato de quatro anos, não uma capitania hereditária como direito divino e vitalício.
Direção e corpo docente já pediram, por favor, que faça o seu trabalho. Já cansaram de exigir modos em notas de repúdio. Preferem não usar a carta de expulsão à mesa, provavelmente com medo de o mau aluno (já chamado por Geisel de “mau militar”) transformar a instituição escolar em uma barricada vigiada por um cabo e um soldado.
Ao tomar posse, Bolsonaro prometeu ser implacável contra a corrupção e a criminalidade. Hoje seu governo flerta com a banda mais fisiológica do centrão e abriga de ministros inaptos a suspeitos de uso de caixa 2 e candidatos-laranja.
Nas ruas, os delinquentes vestem verde e amarelo, promovem balbúrdia, buzinaço em hospitais, enfiam o dedo na cara de enfermeiras, agridem jornalistas e atacam, física e virtualmente, parlamentares e juízes. O ódio tem até assento e gabinete no Palácio.
Toda vez que é repreendido, porém, Bolsonaro faz troça: ele faz o que quer porque diz ser amigo do grandalhão. Em nome dele, jura que pode fazer qualquer coisa, até descumprir ordem judicial.
Enquanto não se distanciar nem desautorizar o mau aluno em público, o grandalhão será sempre lembrado como cúmplice dos atos irresponsáveis cometidos pelo presidente sob as juras de sua proteção.
Em tempo, esse país à deriva chegou no mesmo dia a 7.051 mortos na contagem oficial de vítimas do coronavírus. E daí?, diria sua autoridade máxima. Ou mínima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário