quinta-feira, 26 de março de 2020

G20 injetará US$ 4,8 trilhões na economia contra efeitos do Covid-19



Líderes mundiais querem mitigar efeitos econômicos e sociais da pandemia.
Os países do G20, grupo das 20 maiores economias do mundo, anunciaram investimento maciço para mitigar os impactos sociais e financeiros causados pela pandemia do novo coronavírus. Serão injetados US$ 4,8 trilhões na economia mundial.
A decisão foi anunciada após reunião por videoconferência nesta manhã. O presidente Jair Bolsonaro, que vem defendendo medidas sanitárias e econômicas na contramão das adotadas pelos principais líderes mundiais, também participou da reunião.
“Estamos injetando mais de US$ 4,8 trilhões na economia global, como parte de medidas econômicas e fiscais específicas e de esquemas de garantia para combater os impactos sociais, econômicos e financeiros da pandemia”, afirma declaração conjunta do G20.
Segundo o texto, o combate ao Covid-19 exige uma “resposta global com espírito de solidariedade, que seja transparente, robusta, coordenada, de larga escala e baseada na ciência”.”Estamos fortemente comprometidos a apresentar uma frente unida contra essa ameaça comum”, afirma o grupo.
No documento, o G20 também garante que a magnitude da resposta à pandemia estabelecerá uma “base sólida para a recuperação dos empregos e a recuperação do crescimento”. “Estamos prontos para reagir prontamente e tomar qualquer outra ação que possa ser necessária. […] Estamos confiantes de que, trabalhando em conjunto, vamos superar isso. Protegeremos a vida humana, restabeleceremos a estabilidade econômica mundial e estabeleceremos bases sólidas para um crescimento forte, sustentável, equilibrado e inclusivo”, conclui o texto.
Os países que integram o G20 são África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Reino Unido, Turquia e União Europeia.
Na contramão
Enquanto países como Alemanha, Índia, Argentina e até os Estados Unidos de Donald Trump estão orientando suas populações a ficarem em casa para diminuir a curva de contágio e proteger os grupos de risco, Jair Bolsonaro defendeu em cadeia nacional de televisão que os brasileiros voltem ao trabalho e somente idosos fiquem em quarentena.
Segundo informações do portal Metrópoles, Bolsonaro levou uma caixa do medicamento Reuquinol para a reunião com os líderes do G20. O medicamento está em estudo para tratamento do Covid-19, com resultados promissores, mas não tem eficácia comprovada.
O Brasil também não anunciou, até o momento, um pacote econômico robusto para enfrentamento ao novo coronavírus. As medidas emergenciais divulgadas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, somam R$ 147,3 bilhões e praticamente não contêm recursos novos – a soma é composta, majoritariamente, de antecipação de despesas ou adiamento de receita. O governo anunciou um auxílio ínfimo para trabalhadores informais, de até R$ 200. Nesta semana, lançou mas teve de recuar em medida para suspender contratos de trabalho e salários por quatro meses, devido à forte repercussão negativa junto à população e ao Congresso Nacional.
Com informações da Ansa e Metrópoles

Nenhum comentário:

Postar um comentário