quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

MA - Cerca do Parque das Dunas é cortada por invasores


Com o objetivo de fortalecer a segurança dos frequentadores do Parque Estadual Dunas do Natal “Jornalista Luiz Maria Alves” e preservar a Mata Atlântica, o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Idema, ressalta a importância da utilização das trilhas oficiais por parte da população. A presença irregular nas áreas da mata tem provocado prejuízos aos cofres públicos, desequilíbrio e danos ao ecossistema, comprometendo a saúde da fauna e da flora local.
Na construção da nova cerca, entregue em dezembro de 2019, foram investidos R$ 849 mil, a fim de garantir a preservação da Unidade de Conservação da Natureza localizada na capital potiguar. “O papel do Idema está diretamente relacionado com a sensibilização das pessoas. O poder público fez o seu dever de efetivar a segurança do local, mas, com estas ações de depredação ao patrimônio e invasões na área do Parque, todos perdem”, destacou o diretor geral do órgão ambiental, Leon Aguiar.
O Parque das Dunas possui uma área de uso público com cerca de sete hectares, onde os visitantes podem realizar diversas atividades, desde caminhada e corridas em contato com a natureza, visita à sala de exposições, viveiro, unidade de mostra, piqueniques, até atrações culturais aos fins de semana. Além disso, o Parque oferece três trilhas oficiais que permitem uma maior interação com o ecossistema e funcionam como instrumento de educação ambiental, que visam despertar o visitante para questões como o respeito ao meio ambiente e o equilíbrio na relação entre homem e natureza. Por meio dessas trilhas é possível conhecer mais de perto a diversidade biológica existente no Parque.
Entretanto, na unidade de conservação, é recorrente a prática clandestina de atividades físicas por grupos esportivos, trilheiros e assessorias de corrida. Além da prática esportiva irregular, o Parque também tem sido alvo de usuários de drogas, assaltantes e fugitivos da polícia.
As trilhas oficiais são realizadas de forma silenciosa, guiadas por orientadores turísticos e acompanhadas pela policia ambiental, a fim de que a atividade ocorra de maneira segura. A gestora do Parque das Dunas, Mary Sorage, afirma ser um desafio ter um parque em área urbana e ressalta a extrema importância em ter a sociedade como aliada para a preservação da Unidade.
“No momento em que um grupo adentra o Parque sem autorização está desrespeitando a legislação, causando uma série de impactos à Unidade de Conservação. As invasões tem vários impactos negativos. Observamos árvores e placas pichadas, uma grande quantidade de lixo e focos de incêndio. Tudo isso reflete nos processos erosivos e acaba comprometendo a saúde do solo. Além disso, os animais se afugentam a medida que as pessoas modificam o habitat deles. São questões sérias que refletem na saúde dos animais, na qualidade das plantas, solo e ar”, destaca Sorage.
Além dos impactos ambientais causados pela utilização indevida do Parque, a preocupação com a segurança da população é destacada pelo Comandante da Companhia Independente de Proteção Ambiental (CIPAM), Major Alexsandro de Oliveira Soares. “A utilização de trilhas clandestinas é fator gerador de diversos riscos causados ao meio ambiente e para a segurança pessoal, tais como ataques de animais silvestres, picadas de serpentes, ataques de cães asselvajados, os quais circulam em matilhas pelo parque, bem como a possibilidade das pessoas se desorientarem e se perderem na mata, além de serem alvo de ações delituosas”, ressalta.



Trilhas

Para conhecer e fazer uso das trilhas, é necessário realizar o agendamento através do e-mail parquedasdunas@rn.gov.br ou diretamente na administração do Parque. O agendamento é realizado de segunda a sexta, das 7h às 14h.

Nenhum comentário:

Postar um comentário