quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Salário de Luxemburgo vai para advogado que cobra Marcelinho



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Vasco foi intimado no último dia 11 a depositar em juízo 15% do salário de Vanderlei Luxemburgo, 67, em decisão judicial favorável ao ex-jogador Marcelinho Carioca, 47, que move processo contra o técnico.

O ex-atleta, no entanto, não ficará com a parcela dos vencimentos do treinador. A 4ª Vara Cível Central de São Paulo decretou a penhora de eventuais valores que ele receba referentes ao bloqueio a pedido pelo escritório L. Coelho e J. Morello Advogados Associados, que cobra dívida de cerca R$ 1,5 milhão do ex-meia.
O escritório representou Marcelinho entre 2000 e 2005 e alega que não recebeu honorários cobrados. O juiz Rodrigo Cesar Fernandes Marinho acatou o pedido da empresa.
A intimação encaminhada ao clube carioca, inclusive, foi movida pelo escritório, uma vez que a empresa é parte interessada na ação como credora de Marcelinho.
Luxemburgo foi condenado a pagar R$ 351 mil, incluindo correções monetárias, multas e honorários. De acordo com a decisão, 15% do salário do técnico será repassado para o ex-corintiano até suprir a quantia. A primeira parcela deverá ser paga até o quinto dia útil de dezembro.
O processo se originou em 2007, quando o ex-meia e o treinador participaram do extinto programa Por dentro da Bola, da Rede Bandeirantes. Na ocasião, Luxemburgo chamou Marcelinho repetidas vezes de "moleque" e "safado".
Procurado pela Folha, o advogado Anthero Mendes Pereira Júnior, que representa Marcelinho, confirmou o andamento do processo.
"Há decisão por parte do juiz de primeiro grau decretando que seja depositado diretamente dos cofres do Vasco para o processo", afirmou.
O advogado disse, ainda, que a dívida com o escritório L. Coelho e J. Morello ainda será discutida no processo. Também afirmou que ficou satisfeito com a decisão em favor de Marcelinho. "É um alento para o Marcelo porque essa ação [contra Luxemburgo] já vem caminhando há muitos anos."
LUCIANO TRINDADE,Folhapress - YAHOO

Nenhum comentário:

Postar um comentário