terça-feira, 6 de novembro de 2018

Campanha de Meirelles teria feito disparos por WhatsApp à base do Bolsa Família



As Eleições 2018 já foram concluídas, mas os meios que muitas campanhas se utilizaram para promover candidaturas ainda repercutem. A última revelação indica que a campanha do ex-ministro da Fazenda e candidato derrotado à Presidência da República no primeiro turno, Henrique Meirelles (MDB), fez disparos de mensagem em massa pelo WhatsApp para números de telefone de beneficiários do Bolsa Família, segundo apurou reportagem do UOLpublicada nesta segunda-feira (05). A prática coloca em cheque a campanha uma vez que os números de quem recebe o benefício são sigilosos e seu uso, divulgação ou cessão para outros fins que não os previstos para a legislação, são ilegais.
A empresa Deep Marketing teria sido contratada pela campanha do ex-candidato por um valor de R$ 2 milhões. Entre suas funções estaria a gestão das redes sociais, o envio de mensagens via WhatsApp, além de cuidar da construção e manutenção do site da campanha, de acordo com a reportagem. Entre os sócios da Deep Marketing está o empresário Lindolfo Antônio Alves Neto, também dono da Yacows, empresa investigada pela Polícia Federal por supostamente participar de um esquema de envio de mensagens através do WhatsApp financiado por empresários favoráveis ao presidente eleito Jair Bolsonaro.
O UOL teve acesso a base de telefones dos beneficiários do Bolsa Família que teria sido usada pela Deep Marketing. A reportagem, então, ligou para dezenas de números constantes na lista intitulada como "Base_Comprada_Bolsa Família_16" e confirmou que todas as pessoas que atenderam o telefone, de fato, recebiam o benefício e que iam do interior do Paraná ao Amazonas. Parte das pessoas contatadas afirmou que não utiliza o WhatsApp e, por isso, não recebeu mensagens de campanha. Já outra parte dos entrevistados confirmou ter recebido mensagens pelo app, inclusive de outros candidatos. "Todas negaram que se cadastraram junto a partidos políticos para receberem conteúdo de campanhas", escrevem Aiuri Rebello, Flávio Costa e Leandro Prazeres que assinam a matéria.
O conteúdo da mensagem encaminhada para os beneficiários da Bolsa Família dizia: "Programa Bolsa Família ainda melhor. Pro-criança: receba um benefício extra para deixar seu filho numa creche participar" para depois assinalar "Vote Meirelles 15". A mensagem teria sido encaminhada para uma base de 2 milhões de brasileiros que já recebem o benefício. O cadastro do Bolsa Família atualmente conta com 13 milhões de famílias.
Procurada pela reportagem do UOL, a campanha de Meirelles afirmou que não contratou e nem teve nenhuma relação comercial com a Yacows e que, tampouco, teria ordenado disparos de mensagens com base de dados comprada. Já a Deep Marketing e Yacows não responderam aos pedidos de posicionamento.
O Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), responsável pelo programa Bolsa Família, afirmou ao UOL que não forneceu dados de beneficiários a campanhas eleitoras e que desconhecia casos de utilização indevida da base nacional do Cadastro Único.
IDGNOW.COM.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário