segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Bolsonaro defende indicada para ministra da Agricultura investigada por suspeita de favorecimento



Confirmada para assumir o ministério no futuro governo, a parlamentar teve o nome citado na imprensa por suposto acordo de favorecimento firmado com o grupo JBS quando era secretária de governo do Mato Grosso do Sul.
“Eu também sou réu no Supremo. Tenho que renunciar? Ela já foi julgada? É apenas um processo representado, [assim] como já fui representado umas 30 vezes na Câmara e não colou nenhuma”, afirmou Bolsonaro ao deixar a Arena Carioca 1, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, depois de acompanhar as finais do evento de Jiu-Jitsu Abu Dhabi Grand Slam Rio.
Em seguida, o presidente acrescentou que: “Sou um ser humano e posso errar. Se algum ministro tiver uma acusação grave comprovada a gente toma uma providência. No momento ela goza de toda a nossa confiança.”
A deputada federal é citada por delatores da JBS em acordo firmado no ano passado sobre incentivos fiscais do governo do Mato Grosso do Sul, de acordo com reportagem publicada na imprensa.
Segundo a reportagem, os delatores entregaram à Justiça documentos com a assinatura da parlamentar no período em que ocupava o cargo de secretária estadual de Desenvolvimento Agrário e Produção do Mato Grosso do Sul. Portugal Digital com Agência Brasil - FOTO:ABR/ARQ

Nenhum comentário:

Postar um comentário