domingo, 16 de setembro de 2018

Projeto Quatro x Quatro promove circuito de teatro em Santo Amaro

Chega à cidade de Santo Amaro a mostra de teatro “Princesa do Sertão”. Quatro grupos, oriundos de Feira de Santana, apresentam cinco peças regionais explorando literatura, música e aspectos do sertão nordestino. As apresentações acontecem nos dias 22 e 23 de setembro, no Teatro Dona Canô – Centro e na Casa do Samba. O ingresso é a preço popular- R$10 (inteira) e R$5 (meia).
Ao todo, seis espetáculos participam do projeto, proporcionando conteúdos diversos que atendem ao público infantojuvenil – como o espetáculo A peleja de Maria Bonitinha, da Cia Cuca de Teatro –, assim como peças voltadas para o público adulto, como é o caso “Encarceradas”, apresentado pelo Grupo Recorte de Teatro.Dentro do mundo literário, a Cia Cuca de Teatro abre a programação com a peça infantil Os Fogatas, adaptação do texto “Os Cigarras e Os Formigas”, da escritora Maria Clara Machado. Já o grupo Conto em Cena, traz a obra de Guimarães Rosa, A hora e a vez de Augusto Matraga, para os palcos do teatro com o espetáculo Matraga. Ambas as peças buscam desenvolver os elementos de valorização do teatro brasileiro e popular.
Homenagem ao Rei do Baião – Dentro do circuito, o público poderá conferir a peça Amor em Luiz, promovida pelo Grupo Cordel. A atração é gratuita e acontece no dia 23/09, na Casa do Samba. As músicas de Luiz Gonzaga serão apresentadas em meio a uma trama de amor e ação.
O Projeto - “Quatro X Quatro – Mostra do Teatro da Princesa do Sertão” é fruto da união de quatro grupos de teatro de Feira de Santana que trabalham para disseminar a produção do interior, sob o olhar atento frente às questões de cultura, ética e sociedade. A Cia. Cuca de Teatro - que em 2018 celebra 20 anos de trabalho voltados a Infância e Juventude; Grupo Conto em Cena – com 9 anos de atuação, concilia de maneira prazerosa teatro e literatura e tem a dramaturgia corporal como linha de pesquisa; Grupo Recorte de Teatro - 4 anos de atuação, mantem a linha brechtiniana, trazendo para os palcos textos autorias em caráter teatro documental com recortes sociais; e Grupo Cordel – com 6 anos de trabalho, com montagens voltadas tanto para a cultura nordestina e para a técnica de dramaturgia corporal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário